sábado, 30 de março de 2013

mãos na massa




 
Dizem-me que dicotomizo, que separo, que olho sempre em dois modos. 
E que não devo. 
Mas como faço, deuses, se o cheiro, o tom da voz, o jeito inteiro, é de molde a que eu veja tão diverso, tão um e outro, e disso nem me importe. 
Se bem que eu sei que temos ambos um pouco de cada um. 
E no entanto…
Para levedá-la, para que cresça a massa, de onde as orações? De onde a prece para que levede? 
Quem ora para que "calhe bem"?

Ancestralidades que são modos, terão feito esses meus olhares.


Uma cruz por cima da massa que ainda nem enche o alguidar. E também uma cruz na própria massa, desenhada com a mão em cutelo. 
Elas desenhando, deixando na massa a cruz onde Ele morreu. 
E que levede. 
Que o que aqui deixo desapareça e nisso mostre que cresceu. 
Ou enterram o dedo cinco vezes que é esse o número das chagas de Cristo. 
E  rezam. 
Assim ou de modo semelhante:

São Vicente te acrescente,
São Vicente te alevede,
Em louvor da Virgem Maria
Um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.

E cobrem com mantas. Ou colocam farelo sobre um pano fino para que o azedo se faça quentinho e ajude a crescer. Ou de algum outro modo mantêm aquecida a massa levedando. 
E vão meter a mão em outras massas, outros afazeres.
Fica a massa ali o tempo necessário para que se cresça. Para que se dê cumprimento ao pedido que enviaram na reza:

São Vicente te acrescente,
São Mamede te levede,
Nossa Senhora da Ribeira
Te faça tão lindo e formoso
Como a flor da macieira, ou da amendoeira.

Ou de outra maneira terão elas orado sobre a massa acabada de amassar:

Deus te levede e torne a levedar,
Para comermos e para dar.

E mais um Pai-Nosso e uma Ave-Maria. E  enunciam outros santos:

São João te faça bom pão
E São Mamede te levede
Em louvor de Deus e da Virgem Maria
Um Pai Nosso e uma Ave-Maria

E dizer que era para ela e era para os seus:

Deus te acrescente
Para mim e para toda a minha gente


Há olhares diferentes, sim, modos de sentir, modos de fazer também. Há um olhar característico do ser feminino, eu estou convencida disso. Nada a fazer.

   



6 comentários:

mac disse...

Há coisas verdes no mundo, tantas, tão belas!
Quem usa óculos verdes vê o mundo todo verdinho.

Mena G disse...

Gostei muito deste amassar.

expressodalinha disse...

Achas que o "chefe" Avilez também reza lá no Belcanto? Belíssima antropologia culinária. Ou será teologia da gastronomia?

wind disse...

Gostei muito.
Beijos

Benó disse...

O amassar é para quem tem braço Não é preciso força mas sim, braço. E as rezas e benzeduras não podem faltar, elas fazem parte desse ritual .Gostei de ler.

Benó disse...

O amassar é para quem tem braço Não é preciso força mas sim, braço. E as rezas e benzeduras não podem faltar, elas fazem parte desse ritual .Gostei de ler.

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein